"Amem sem cor, raça ou gênero."


“Levei um susto! Foi uma total surpresa para mim, mas diferente da maioria, o que me veio à cabeça naquele momento foi imaginar o sofrimento da minha menina desde os 12 anos, idade em que se descobriu lésbica, antes disso, ela só sabia que era diferente”.

O depoimento é de Angela Moysés, mãe de Thaís, de 21 anos.


A jovem assumiu ser lésbica aos 16 anos. Antes de saber o que estava acontecendo de fato, Angela observava um comportamento estranho da filha - sempre calada, chorando a toa e usando a desculpa que estava estressada pelo excesso de atividades, que na verdade se tratava de uma válvula de escape.

“Um dia, após chegarmos do cursinho, eu disse a ela que enquanto não me contasse qual era o problema não levantaríamos da mesa. E foi aí que ela me relatou que gostava de meninas e não de meninos”. Na mesma hora, a mãe fez a seguinte pergunta: "Filha, você tem idéia de que seu caminho será muito sofrido?" E ela respondeu: "mãe, se fosse opção você acha que teria escolhido o caminho mais difícil para viver?"

A partir daí, Angela começou a ler sobre o assunto, além de se preparar para falar com o seu marido e sua filha mais nova, Tatiana, que na época tinha 13 anos. Para a sua surpresa, ele encarou a situação normalmente. “Inclusive ele disse que iria entrar no mundo gay pela porta da frente, de mãos dadas com ela e que não era necessário continuar vivendo uma vida dupla. Nós queríamos conhecer as pessoas com quem ela estava andando, e assim foi. Sabíamos que essa nossa postura traria problemas - já sofremos com o preconceito - mas enfrentamos tudo juntos”.

Angela passou a convidar amigos gays e lésbicas da filha para a sua casa e percebeu que grande parte deles tinha histórias tristes para contar. Certo dia, a filha trouxe uma cartilha do Grupo de Pais de Homossexuais (GPH), ONG que promove reuniões presenciais ou virtuais e conta com o apoio de psicólogos. Edith Modesto, a fundadora do grupo, compilou alguns depoimentos e os reuniu no livro "Mãe sempre sabe? Mitos e verdades sobre pais e seus filhos homossexuais", lançado este mês.

“Foi um grande passo participar da ONG. Queria mostrar a eles que é possível sim ter um filho ou filha homossexual e ser feliz. É extremamente gratificante, principalmente quando conseguimos ajudar um pouquinho aquela mãe que está um farrapo, destroçada, e que passa a enxergar uma luz no fim do túnel!”, diz.

Sobre a falta de leis que reconheça a união de homossexuais Angela é enfática: “Eles trabalham, pagam impostos, vivem toda uma vida juntos e na hora que um deles morre, não há direito a pensão e nem a herança. Isso é injusto. Temos que reconhecer de direito o que já existe de fato!

13 comentários:

  1. Nossa estou passando por um grave problema e eu realmente nao ando sabendo como contornar.
    Eu sou lesbica, sempre soube que era diferente e aos 15/16 anos eu falei para os meus pais, mais nao pq eu qria fui precionada, nao me aceitaram e nao aceitam ate hj, na minha casa Gay é normal mais lesbica é falta de vergonha na cara.
    Eu levei um relacionamento hetero mais eu nao gostava dele como amor e parceiro mesmo e sim como amigo, tive que fazer isso pq a humilhação em casa estava mt grande.
    Hoje eu tenho um relacionamento estavel com uma mulher eu ja tenho 19 anos.
    Meus pais nao sabem e nem podem sonhar, porque realmente são mt preconceituosos, meu pai disse que se ver pode ate matar, e eu os amo demais pq afinal são meus pais e me educaram e me deram uma vida embora tenham a cabeça fechada.
    A solução que eu encontrei foi continuar levando o relacionamento nas escondidas mais bem escondidas. Ano que vem vou entrar na faculdade onde ela estuda a um ano, assim nos veremos mais e eu vou poder fujir um pouco daquela humilhação que é em minha casa.
    Por causa disso eu nao posso mais ter amigos e nem mesmo colegas, nao posso conversar com ninguem pq minha mae diz que eu serei levada pelo mal caminho e irão me induzir a voltar ao mundo do homossexualismo.
    São pessoas maravilhosas mais pecam muito neste ponto.
    Os poucos colegas que eu tinha sairam de perto de mim por acharem que fui fraca em nao ter sustentando e batido o pé em falar que sou lesbica. Mais tem varias questoes que empregam muito no assunto, como o fato de que sou sustentada por eles, e eu tenho varias coisas dependente deles, e claro eu devo muito respeito aos meus pais.
    Eu passei por graves crises de depressao e ainda passo, so nao é pior hj em dia graças a minha parceira que me ajuda muito.
    Eu creio que como estou levando é a melhor maneira, mais eu nao tenho liberdade e nada mais. Nao sei o que é sair e ir em uma festa pois da mesma forma eu nao posso ir.
    Perdi um ano na escola pelo fato que minha mae queria me tirar de perto de qualquer pessoa que pudesse me ajudar a ter um relacionamento lesbico.
    Como vejo minha namorada?
    Simples eu estudo dias de segunda a quarta e falo em casa que sexta tambem so que sexta eu a vejo. e é assim.
    Me sinto muito só e triste e eles nunca entendem.
    Não falamos diretamente do assunto mais a gente saca quando a indireta é sobre isso.
    Obrigada por lerem e me deem uma luz..

    ResponderExcluir
  2. Se toda mãe ou pai pensasse assim, as coisas seriam mais fáceis. Eu sei que sou lésbica desde os 16 anos, mas nem em sonho eu conto pra minha família (família de nordestinos onde os patriarcas são do interior do estado, daqueles que não tomam suco de morango pq é quase rosa, e isso não é coisa pra macho). E desde os 16 tenho uma namorada (cuja familia é como a minha), naquela época não sabíamos realmente o que era aquilo que se passava conosco, ficamos juntas até os 20, nos separamos, ficamos 5 anos sem se ver e se falar, em 2009 nos encontramos novamente e o amor veio a tona de novo, e desde então levamos nossa relação escondida. Até com pretensão de casamento.
    Ah, vale ressaltar que nesse tempo sem se ver tivemos relações hetero, e sinceramente, num gozei em nenhuma delas - fato ¬¬).
    Mas dizer que pai, mãe, irmãos, primos, tias etc não sabem, é difícil. Eles estão sempre jogando piadinhas. O que facilita nossa vida é que temos uma certa independência financeira, somos formadas, temos carro, nossos bons empregos, ajudamos em casa, esse tipo de coisa.
    Acho que eles sabem, mas não querem se certificar se é ou não, sabe?! Têm medo da verdade. É aquela coisa, só sai com Fulana, ela e fulana tão sempre juntas, fazem tudo e qualquer coisa junto e por aí vai.
    O pior é que ela recebe mais pressão por parte da familia dela que eu por parte da minha, a mãe dela pega no pé dela todos os dias: -minina, nunca mais tu trouxe um namorado aqui, pode arrumar um namorado e apresentar em casa, isso pega mal pra uma mulher da tua idade (ela tem 30 e eu 27).
    Pow gente, mas eu sinto que isso tá estragando nossa relação, tá ficando chato, ela não é mais a mesma, sinto que ela tá ficando cansada pq não sabe se escuta a mãe ou se vai ser feliz comigo. É foda!
    Adorei esse espaço, vivo no armário até hj, minhas amigas lésbicas são todas da internet, esses lugares me deixam mais confortável e confiante diante dessa situação. Bjos à todas!

    ResponderExcluir
  3. Fui me descobrindo amando uma amiga minha que era casada... Isso foi quando eu tinha 13 anos, eu namorava um menino e não sentia nada quando eu beijava ela... Todas as vezes que fechava os olhos para beija-lo eu pensava que estava beijando ela. Ela e esse sentimento foi ficando cada vez mais forte. Hoje eu tenho 18 anos e sei que ela é o amor da minha vida, mas infelizmente não sei como falar isso abertamente pra minha família que são extremamente preconceituosos. Minhas irmã brinca comigo ao respeito, joga verde , esperando que eu me assuma para ela. Pois ela diz que essa moça por quem eu sou apaixonada também gosta de mim , mas ela pensa que eu amo essa moça só como amiga. Minha irmã é minha melhor amiga, e isso é a única coisa que eu escondo dela a sete chaves. Mas não sei se vou aguentar por muito tempo , porque esse amor está aumentando cada vez mais , e eu sei que essa moça que eu amo também gosta de mim , eu sinto , que só falta a oportunidade de acontecer o inevitável entre nós.Pois sabemos que a cada mensagem diária que a gente troca , vem junto um sentimento que aflora pela tela do celular... Troca de olhares, desejos contidos e um amo pra vida toda. E assim vou continuando minha vida dupla... Ficando com homens sem prazer nenhum , porque nunca gozei com nenhum namorado.. E amando ela eternamente. Mas gente lembrem-se sempre, que o que vale é o amor , e mais cedo ou mais tarde ele vai falar mais alto , e você não vai nem querer saber o que os outros vão pensar .
    *-* Bjukas a todas !!!

    ResponderExcluir
  4. MAYARA



    é tenso cara, se meus pais pensasem da mesma maneira iria adorar mas fazer o que ....esse povo mais antigo é tenso...
    tenhu 16 anos sou lésbica aos 14 e 15 anos...mas tenhu namorado
    minha mãe nao vai me asseitar DE GEITO NENHUM ....há eu moro com elee faz um ano , não aguenteva mais a casa dos meus pais...era briga toda hora eu chorava todos os dias.....eu sofria muitoo...
    primeiro minha irmã fugiu de casa depois de uns 3 dia eu tmbm sai com meu namorado....ele sabe que sou as vezes ele nao quer acreditar mas eu nunca menti pra ele....sou feliz agora mas mesmo assim ainda falta algo....me assumir...para todos é o que eu quero fazer...mas penso em me assumir quando tiver 18 anos por q dai já vou independenti dai sei lá penso em alugar uma casa e vou morar sozinha até arrumar uma companheira ....tenhu namorada mas ele nao sabe...tenso fazer o q néh!

    sou feliz com ele devo minha vida a ele ele foi a pessou que mais me ajudou e me ajuda nesse maldita vida que levo ....por nao poder me assumir;... uma mãe sabe que sou lésbica que é minha mae verdadeira mas a que me criou nao....mas tmbm a que me criou ele já é velha a minha mae de sangue nao ela sim me entendi..mas fazer o que ela nem mora aqui....o que que adiante

    intão é isso pretendo me assumir mas pra isso tem que ser de maior
    para mim poder pagar minhas contas..huhuhsuush

    tenhu muita pena do meu namorado ele vai sofre muito isso tenhu serteza tadinhuuu...ele gosta muito de mim...mas eu gosto mais de mulherestenhu 2 anos pra decidir com quem vou ficar realmente com homem ou mulher...achu que vai ser mulher eu espero.....mas quero continuar vendo meu namorado por que ele é muito gente boa....

    a pessoa q mais me ajudou na vida...vélho achu que vou pro inferno só por trair ele com mulher..afs pelomenos ele sabe q sou.....pelomenos né!!!!

    as vezes penso q nao deveria fazer isso com ele ...ou largar dele mas nao sei na mesma hora ja penso em meninas afs que ´ódiooooo de mim mesma....mas vou tentar decidir...


    bjus obrigada por ler um pouquinhu da minha história....ela é bem triste ..vçs nao sabem nem o começo;.................=(((

    ResponderExcluir
  5. oi a todas vcs meu nome e francimaria hoje eu sou lesbica assumida e sou casada com a flavia eu amo minha mulher,mais antes eu era casada cm um homem e tenho uma filha de de 8 anos e minha familar sabe q sou mais eles ñ aceita mais eu ja tenho 24 anos sou independente e,eu sou des do meus 14 anos mais eu ñ podia assumir mais agora ñ tou nem ai pra q os outros vao falar eu tou feliz cm minha mulher isso e oq importa bjooo pra todas vcs e espero q possa realizar o sonhos de cada um bj *_*

    ResponderExcluir
  6. Samantha Ascoli Francescoli17 de agosto de 2012 12:32

    Também passei por um problema semelhante ao das garotas deste site; mas não aceitava esta condição de jeito nenhum! talvez pelo clima sempre romântico de meus pais, era desconfortável, uma barra. Aos 15 anos veio minha 1ª transa com minha "amiga" uma sensação de liberdade, de prazer, mas de muita culpa. Minha amiga, precionava pra eu contar pros meus país, mas eu relutava e ficava em silêncio. O fato que não aceitava esta condição, de tradicional familia Católica, familia feliz, amor de país e irmãos, bem diferente a das garotas deste site. Relutei muito até que decidi contar pra minha mãe, isso com 17 anos. Falei pra minha mãe que já havia tido experiencia sexual com garotas, mas que não aceitava meu íntimo tudo aquilo. Eu bem feminina,não queria, sentia que algo que tinha algo de errado comigo. Minha mãe, minha amiga, me levou até uma médica, que me orientou a fazer tratamento com hormônios. Com o tratamento o meu desejo em ficar com meninos foi aumentando proporcionalmente; hoje sou noiva e estou grávida, e muito feliz. Nos dias de hoje onde a vida é muito corrida, onde os pais não param pra dialogar com seus filhos, onde a carência é muito grande, as drogas, a repressão fazem aflorar desejos que vão contra nossa natureza. Ser Lésbica, fazer opção, ou estar predisposto a ser; isto não existe! familias são a base, e se a base não for sólida, a casa caí! a internet é 01 arma que se não usada de maneira correta pode sufocar nossa própria sociedade; por isso eu lamento que garotas do site, façam mal uso de seus pensamentos, traduzidos em palavras. SE DESEJAM REALMENTE SE LIBERTAREM QUE POSSAM DAR OS PRIMEIROS PASSOS!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  7. meu nome é Rayssa, aos 14 percebi q eu era diferente, me lembro q estava andando de circular e vi uma garota e fiquei olhando pra ela, a partir daquele momento percebi q eu era diferente, estou 22 anos e até hoje não consegui me assumir, nunca fiquei com uma garota, tenho medo de não ser aceita na minha família, pois sou a filha mais velha meu pai é falecido e minha mãe sempre fez de tudo para mim, queria uma ajuda queria saber oq fazer me sinto sem saída, sinto q nunca vou ser feliz.

    ResponderExcluir
  8. meu nome é thalia tenho 15 anos, sou lésbica,mas não assumida, tenho uma namorada e amo muito ela, nunca tive relaçao com meninos até porque eu sei do que realmente eu gosto. e pra que eu vo ficar com um menino se eu não gosto. e vou me assumir com 18 anos. bom meninas eu acho o seguinte deus escreve o livro da vida e por algum motivo ele me fez assim, não é porque sou lésbica que estou cometendo o pior pecado do mundo. um dia eu parei pra pensar, como eu iria me aceitar sendo lésbica, mas eu sei um motivo pra eu me aceitar, foi ele,foi deus que me fez, cada qualida, cada defeito foi ele que emplantou em mim, a se sou assim não foi eu que escolhi, foi deus. nada e ninguem nesse mundo é perfeito todos somos pecadores. ninguem tem o direito de julgar ninguem, quem tem esse direito é deus.uma lésbica pode ser feliz assim como um hétero pode ser. aceite como és porque foi deus que te fez assim, não desista lute até o fim se suas familhas não aceitarem, siga em frente porque não é a felicidade dos teus pais que estam em jogo é a tua, entao siga em frente e sejam felizes como todos devemos ser, DEUS ama a todos não importa do que gostamos, ele ama a todos. BEIJIINHOS MENINAS. ESPERO QUE PENSEM NISSO E SIRVA DE REFLEXAO PARA VCS LÉSBICAS NÃO ASSUMIDA.

    ResponderExcluir
  9. Gente estou aqui para pedir uma ajuda, tenho 24 anos sou lésbica e me envolvi com uma garota de 15 anos, que só fiquei sabendo agora que ela tem 15, pois até então achava que ela tinha 17, quero saber se é crime? porque agora a familia dela descobriu e eu estou com receio que eles vão na justiça.

    ResponderExcluir
  10. Eu me asssumi a pouco tempo para a minha família e está seno um real inferno, todos os dias minha mãe dá um jeito de me sentir mal, e hoje ela me disse que se vesse minha melhor amiga na frente iria dar uma camaçada de laço nela (obs: ela trabalha na mesma escola que estudamos). Ela me disse várias coisas e hoje me disse que se eu não virar heterossexual ela vai me matar, pois prefere passar por isso a me ver junto com outra mulher, eu não sei mais o que fazer só que tenho só 15 anos dependo dela ao menos até ter 18 antes ela não vai me deixar sair de casa, mas to com medo, nãoquero mais me esconder e viver infeliz :(

    ResponderExcluir
  11. Meu nome é carol e tenho 15 anos me assumi só q minha mãe disse q iria me bater por causa disso mas não vai adiantar meu jeito não vai mudar. Estou muito feliz com uma menina e não me importo com oq as pessoas falam.

    ResponderExcluir
  12. Meu nome é Paula, tenho 22 anos, sou lésbica não assumida, nunca fiquei com garotas, nunca falei da minha condição sexual para ngm, minha família é extremamente tradicional e nunca encontrei um amigo da minha confiança pra falar sobre o assunto, tenho alguns amigos com pensamentos tbm tradicionais :/. Já fiquei com garotos e nunca senti NADA, não tenho vontade, nunca tive, sempre fiquei por ficar, minha vida amorosa é 0% nunca tive prazer com ngm, nem mesmo beijos ou carinhos, sou carente e vivo em um mundo irreal, tenho fantasias apenas. Pra falar a verdade não costumo parar e pensar na minha condição, no meu futuro, talvez por isso ainda não tive depressão, vivo cada dia, cada momento e tento ser feliz como posso, as cobranças "de namorados" é claro que existem mas eu costumo não dá muita atenção a elas, penso que Deus irá me mostrar uma saída, pra compensar essa ausência em minha vida eu me apego demais aos amigos que tenho, a minha família, meu trabalho e esqueço por vezes que sou assim. Eu sou romântica e fantasio um amor ideal, uma pessoa que eu possa amar em todos os sentidos da palavra e que possa corresponder ao meu amor, o que para mim é um sonho distante, já que conheço poucas pessoas homossexuais e vivo em um mundinho bem limitado. Quando paro e penso me encho de angústias e interrogações, não sei ao certo quem sou nem tampouco como será meu futuro, por isso não costumo parar e pensar em nada, melhor assim, por enquanto.
    Agradeço a vc que leu, estou aberta a opiniões.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  13. Ola... Meu nome é Sofia e não me rótulo... Eu gosto de homens tbm, porém prefiro mt mais mulheres! Minha família é bem tradicional, mas eles são de mente aberta e apóiam os filhos... Minha irmã já namorou garotas, e quando eu soube EU acabei ficando revoltada com ela... Mas isso foi anos atrás quando eu não tinha certeza do que gostava... Sempre dei celinhos em minhas amigas no colégio e sempre senti atração por mulheres... Isso desde pequena! Digo que minha família entenderia minha situação, mas não sei como contar... Até porque a garota por quem estou afim é bem mais velha que eu, e acho que isso me perturba!
    Mas na minha opinião, se os seus pais realmente te amam eles certamente vão te ajudar a passar por isso, a questão é paciência... Minha irmã teve muita paciência pq apesar dos meus pais aceitarem... Nossa irmã mais velha passou a odia- las e ser descriminada pela própria família não é uma coisa nada fácil!
    Mas acho que minha família não vai achar tanta surpresa pois eu tenho 16 anos e nunca me interessei por garotos... Até já me perguntaram, mas a falta de coragem é mt grande... Mesmo assim eu não tenho tanto receio de contar, simplesmente estou procurando uma forma fácil de dar a notícia... Parabéns pelo post, adorei... Realmente legal, bjs

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...