"Amem sem cor, raça ou gênero."


Mais essa agora (adoção discriminada)...
O deputado federal paraense (e evangélico) Zequinha Marinho (gravem bem esse nome), do Partido Social Cristão (PSC), apresentou o Projeto de Lei 7018/10, que prevê a modificação do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), proibindo a adoção de crianças por casais do mesmo sexo.

Segundo o cristão, que é contabilista e pedagogo, a adoção de crianças por pais gays ou mães lésbicas causará constrangimento aos adotados. "O filho terá grandes dificuldades em explicar aos seus amigos e colegas de escola por que tem dois pais ou duas mães", argumenta Marinho.

O atual artigo 42 do ECA diz, no 2º parágrafo, que para a adoção conjunta (casais) de uma criança ou um adolescente, é necessário que o casal comprove ter união estável ou oficializada a união civil.

"A legislação brasileira atual não fala em orientação sexual para a adoção. A Justiça é a responsável por decidir cada caso".

A proposta do projeto discriminatório do deputado é explícita quanto à proibição da adoção por parte dos casais homossexuais: “Para adoção conjunta, é indispensável que os adotantes sejam casados civilmente ou mantenham união estável, comprovada a estabilidade da família, sendo vedada a adotantes do mesmo sexo”, diz o projeto.

O deputado (HOMOFÓBICO  E ULTRAPASSADO) argumenta ainda que o Brasil deve seguir o exemplo de países como a Ucrânia, que proíbe a adoção por homossexuais. Segundo ele, é dever do Estado colocar a salvo a criança e o adolescente de situações que possam causar-lhes embaraços, vexames e constrangimentos. “A educação e a formação de crianças e adolescentes deve ser processada em ambiente adequado e favorável ao seu bom desenvolvimento intelectual, psicológico, moral e espiritual”. A proposta será avaliada pelas comissões de Seguridade Social e Família e Constituição e Justiça e de Cidadania em caráter conclusivo.

Em abril, o Superior Tribunal de Justiça permitiu que um casal de mulheres adotasse duas crianças, no Rio Grande do Sul. A medida trouxe esperança a casais homossexuais. O Cadastro Nacional de Adoção tem mais de 5,2 mil meninos e meninas que sonham em deixar os abrigos do país.



Um comentário:

  1. aaff, manda esse deputado dar uma passadinha num abrigo e ver se é pior pra uma criança passar a vida inteira sem ninguem para dar afeto e carinho ou explicar pros amigos que os pais são gays. Lamentavel a cabeça pequena de certas pessoas que estao no governo do nosso pais..

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...