"Amem sem cor, raça ou gênero."

On 19:58 by LezLOVE in , , ,    No comments



O show comeca com cada  particpante relatando sobre suas primeiras experiências sexuais lésbicas!


Rose: Não lembra do nome da mulher com quem ela teve a primeira experiência, mas ela estava assustada. “Nunca tive um peito na minha boca ou nem próximo da minha cara.” E no final ela só queria aquela sensação mais e mais.

Nikki: Ela foi quem tomou a iniciativa, já que a outra estava com receio sobre o que fazer com ela.

Jill: Diz que pensou: Oh meu Deus! O que acabei de fazer?  E comparou com a vez que ela perdeu a virgindade com um homem.
Tracy: Viu a luz no final do túnel e de repente tudo se encaixou. Provavelmente chorou na cama falando que as bolas verdes se tornaram folhas nas árvores e que ela precisava de óculos. Ou sou eu que estou me confundindo.

Whitney: Merece o depoimento completo:
“Eu tinha 9 anos, ela 11. Ela tinha peito. Nós estávamos tentando ser românticas e sexys. E eu estava “Oh, deixe-me colocar chantily por tudo e lamber.” Eu não tinha chantily, mas eu tinha sour cream. Então eu coloquei sour cream nos peitos dela e pensei em deixar doce e colocar Fruity Pebbles por cima. Aí eu comi. Só estou falando.”
kkkkkkk.....

Nikki e Jill



No começo do show, elas explicam a relação delas e mostram fotos da infância quando o irmão da Jill era namorado da Nikki e por aí vai.
Elas sentam para discutir detalhes sobre o casamento:
Nikki: Olha, olha, olha! Achei o seu vestido.
Jill torce o nariz.
Jill: Bem, você tem que se sentir bonita e confortável, então…
Nikki: Por isso vou olhar agora os ternos brancos da D&G e Gucci.
Jill: Você ficaria linda, mas eu amaria ver você tentar um vestido.
Nikki: Eu não quero nós duas em vestidos brancos parecendo gêmeas pelo corredor.


Mikey

Ela é a única que provavelmente trabalha do show (enquanto as outras fazem sexo e planejam casamento).
Ela inventou códigos para dizer para a assistente quando os modelos são ruins;

3  - Não é nem bonito, nem sabe desfilar.
Ela elogiou apenas uma modelo.

Ela sabe engrossar quando preciso. A agência de modelos estava mandando qualquer um fazer o casting o que fazia Mikey perder seu precioso tempo. Então ela liga para a agência e…
“Tem um mal-entendido aqui. Exato, eu… (escuta) Se eu fosse você, eu seria bem mais cuidadosa com a forma que você tem essa conversa comigo porque eu realmente sou boa em trabalhar sem nenhuma agência, e nós produzimos todo o LA Fashion Week. Você não precisamandar ninguém aqui sem um book, e sem um comp card, okay? (escuta) Vem cá. Nós nunca mais vamos trabalhar com sua agência de merda. Nunca mais ligue pro meu showroom.”
E então ela expulsa todas as modelos!

Tem como não amar depois dessa cena?

Tracy

Tracy começa a contar a história de como descobriu que era lésbica e rola um certo drama com a mãe dela.
Eu não estava imaginando que a Stamie tinha três filhos com outra mulher. Fiquei bem surpresa, imaginava que era de um casameno hetero. E por curiosidade: o filho mais velho é filho biológico da ex e os gêmeos são biológicos da Stamie. Não é fácil entrar numa relação com um pessoa com três crianças, mas que ela está se esforçando.



Rose

Definitivamente Rose é toda metida a baladeira e a bad girl. E ela é do tipo que griiiita. E eu não gosto de gente que griiiiita!

Mas após a uma noitada gritaaaando muito e não pegando ninguém (?), ela leva… rosas (!) para a namorada que preferiu ficar em casa dormindo. Isso é o que eu chamo de confiança.

Nenhuma mãe porto-riquenhas aceita uma filha lésbica? Enfim… o resto da família aceita. E o resto da família está bem contente com as mudanças provocadas na Rose pela namorada boazinha e normal (aparentemente a ex causou alguns problemas). Por isso eles a adoram.

E para a Natalie agüentar a Rose pegadora de balada e agüentar tio da namorada cheio de simpatia pra cima dela, ela deve ser muito santa… ou gosta muito da Rose mesmo…
E então no meio de uma conversa-de-bêbado-da-visita-de-final-de-semana nós temos o melhor momento da Rose:
Tio-Bêbado: Ah, a vida é curta nós temos que aproveitar! Temos que fazer o melhor possível!
Natalie nas indiretas: É, nós temos que fazer o melhor possível, nós temos que fazer bebês.
Rose (Chocada): Nós temos que o quê?
Natalie: Ter um bebê… Nós vamos engravidar.
A conversa começou a tomar o rumo sobre quem vai ser o doador quando Rose decidiu cortar.
Depois elas vao ao Crown Bar como toda lésbica de L.A. Afinal, o que poderia dar errado na night que é o território da Rose, não é mesmo?

Whitney

Whitney é sem dúvidas a rainha desse episódio.

A primeira “ação” do show é Whitney indo buscar duas amigas que estão vindo de San Francisco. Taylor é amiga dela há anos e Sara… bem… as duas tiveram um caso no passado e “potencialmente no presente”.
As três se encontram depois com mais amigos de SF para tomar chá e comer bolo e começam uma discussão sobre, vejam só, as lésbicas de L.A. Aí uma aleatória lá até que diz algo interessante:
Eu não encontrei nenhuma festa boa, garota, ou algo bom. Eu não quero ir a festas onde só é femme, femme, femme ou futch, sabe? Femmes que pensam que são butch. São só garotas com cabelo curto.
Como assim? Existe esse tipo de lésbica? Na minha cabeça ninguém gostaria de se passar por butch se não fosse realmente butch. Só para se mais discriminada? É como ser hetero e se passar por lésbica. Não faz sentido! Não existe gente assim!

Em depoimento Whitney responde que não diria que L.A. é cheia de femmes, mas de lésbicas mais polidas e ainda tira uma onda com as lésbicas de NY Como assim? Existe esse tipo de lésbica? Na minha ca(que provavelmente será a próxima cidade de TRLW).
Depois disso, obviamente teve…

Momentos nhenhenhe entre Whitney e Sara.


Momento ciúmes.


Momento sexo de reconciliação.


Momento de partidas.



Momento de novas chegadas.



Whitney é sem dúvidas a rainha desse episódio.

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...